quarta-feira, 25 de abril de 2018

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (25 de Abril a 4 de Maio)


As previsões continuam a apontar para a ocorrência de queda de neve nas Minas dos Carris entre 28 de Abril e 3 de Maio.

terça-feira, 24 de abril de 2018

"O que é que Barroso tem? Veja as respostas de Paula, Joaquim e Lúcia"


Classificada como Património Agrícola Mundial, a região atrai cada vez mais visitantes que a escolhem pela “genuinidade” e tradição.

Notícia Rádio Renascença.

Fotografia: Olímpia Marios/RR

As Minas dos Carris a 25 de Abril de 1974


Na investigação que realizei sobre a história do complexo mineiro dos Carris para a elaboração do livro "Minas dos Carris - Histórias Mineiras na Serra do Gerês", foram escassos os relatos que consegui sobre a situação da mina a 25 de Abril de 1974.

De forma geral, escrevi que "Em 1974 o acampamento mineiro dos Carris está novamente abandonado e nele somente permanece um guarda que de tempos em tempos vai recebendo mantimentos e o seu salário entregue por alguém da administração da Sociedade das Minas do Gerez, Lda. O regime muda em Portugal a 25 de Abril de 1974 com a Revolução dos Cravos. Muitas das empresas são nacionalizadas, mas a Sociedade das Minas do Gerez mantém-se nas mãos dos seus sócios. Isto facilmente se poderá explicar pelo pouco valor que a industria dos metais volframíticos teria na altura, aliás esta é uma das razões que terá levado ao encerramento da mina aliado ao facto de haver um crescimento salarial insuportável. Com a situação pouco favorável em Portugal para aqueles que apoiavam o anterior regime, as Minas dos Carris servem como refúgio e rota de fuga para Espanha de muita gente conectada com a direita no Norte do país. Curiosamente, os Carris parecem ter sido sempre um ponto de fuga privilegiado tanto após, como antes da Revolução dos Cravos."

Fotografia © Rui C. Barbosa (todos os direitos reservados)

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (24 de Abril a 2 de Maio)


Prepara-se um fim-de-semana interessante: previsão de queda de neve entre 27 de Abril e 1 de Maio, com possíveis acumulações de 11 cm (28 de Abril) e 10 cm (29 de Abril) nas Minas dos Carris.

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Inquérito - Tipologia de visita preferencial do Parque Nacional da Peneda Gerês



No âmbito da realização do Mestrado de Design Gráfico e Projecto Editoriais na Faculdade de Belas Artes da U.Porto, decorre uma investigação sobre a valorização de Património Cultural e Natural assim como as comunidades envolventes no Parque Nacional da Peneda Gerês concretamente em Castro Laboreiro.

Deste modo gostaria de pedir a  colaboração com a resposta deste breve inquérito, assim como a partilha do mesmo.

Está disponível aqui.

Fotografia © Rui C. Barbosa (todos os direitos reservados)

Incêndio florestal em Vilarinho das Quartas - Soajo


Ocorreu um incêndio florestal em Vilarinho das Quartas, Soajo, que está a ser combatido por cinco operacionais apoiados por um veículo.

O incêndio foi declarado às 17:38 do dia 23 de Abril de 2018.

Miguel Torga e a sua passagem pelas Minas dos Carris


"(...) Tranquei as portas da memória e, pela margem do rio, subi aos Carris. Uma multidão minava as fragas à procura de volfrâmio, por conta da guerra e de quem a fazia. Teixos e carvalhos centenários acompanharam me quase todo o caminho. Só desistiram quando me aproximei do cume da montanha, onde a vida, já sem raízes, tenta levantar voo.

Agora, sim! Agora podia, em perfeita paz de espírito, estender a minha ternura lusíada por toda a portuguesa Galiza percorrida. Pano de fundo, o mar de terras baixas era apenas um cenário esfumado; à boca do palco reflectiam se nas várias albufeiras do Cávado a redonda pureza da Cabreira e a beleza sem par do Gerês. E o espectador emotivo já não tinha necessidade de brigar com o cavador instintivo que havia também dentro de mim. Embora através da magia agreste dos relevos, talvez por contraste, impunha se me com outra significação a abundância dos canastros, o optimismo dos semeadores e a própria embriaguez que anestesiava cada acto, no fundo necessária à saúde dos corpos individuais e colectivos. Integrava o alegrete perpétuo no meu caleidoscópio telúrico. Bem vistas as coisas, se ele não existisse faria falta no arranjo final do ramalhete corográfico português.

Em acção de graças por esta conclusão pacificadora, rezei orações pagãs no Altar de Cabrões, antes de subir à Nevosa e aos Cornos da Fonte Fria a experimentar como se tremem maleitas em pleno Agosto.

Estava exausto, mas o corpo recusava se a parar. Pitões acenava me lá longe, de tectos colmados e de chancas ferradas. Não obstante pisar o mais belo pedaço de chão pátrio, queria repousar em terra real e consubstancialmente minha. Ansiava por estender os ossos nos tomentos do Barroso, onde, apesar de tudo, era mais seguro adormecer. Quem me garantia a mim que, mesmo alcandorado nos carrapitos da Borrajeira, não voltaria a ter pela noite fria um pesadelo verde?"

In Portugal

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (23 de Abril a 1 de Maio)


Poderá ser surpreendente para alguns, se bem que não será ocorrência única. Com a incerteza de quatro dias, previsão de neve para a Nevosa / Minas dos Carris entre 27 e 30 de Abril juntamente com uma acentuada descida das temperaturas.

Segundo Luís Miguel Alves, na sua página pessoal do facebook, "Nos próximos dias teremos dois fenómenos interessantes a nível atmosférico. A partir de hoje há grande probabilidade de observação do Calima, um fenómeno provocado pelo vento original do norte de África (Scirocco) que arrasta muitas poeiras finas em suspensão e turva a atmosfera, deixando entardeceres e amanheceres mais avermelhados e sujando as superfícies. Com a sua ajuda as temperaturas continuarão bem agradáveis!

Contudo a partir do final da semana, o deslocamento do anticiclone dos Açores um pouco mais para Oeste, associado a um pequeno centro de baixas pressões sobre a península canalizará ar frio e húmido que trará a partir de sábado/domingo a possibilidade de chuva e possivelmente neve ao topo das nossas serras. Será uma semana de contrastes! Estejamos atentos!"

GERESÃO já nas bancas!


Já está nas bancas a mais recente edição do jornal GERESÃO.

Se desejar assinar o GERESÃO deve enviar um email para geresaojornal@gmail.com.

domingo, 22 de abril de 2018

Café com Ciência "Parque Nacional da Peneda-Gerês: natureza e paisagem"


No dia 27 de abril (Sexta-feira) às 21.30h irá ocorrer o Café com Ciência "Parque Nacional da Peneda-Gerês: natureza e paisagem" com Doutor Paulo Pereira no Planetário - Casa da Ciência de Braga. 

"Doutorado em geologia (2007) pela Universidade do Minho, tem como principais interesses a geomorfologia, a cartografia e a geoconservação, leccionando, publicando e orientando nessas áreas. Foi bolseiro de doutoramento e de pós-doutoramento e actualmente é Professor Auxiliar do Departamento de Ciências da Terra da Universidade do Minho. Entre 2010 e 2014 fundou os projectos empresariais Geosite, Geojustiça e Firemap, relacionados com as áreas da geologia, cartografia e informação geográfica.

O Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG) é a única área protegida nacional que possui a categoria de Parque Nacional, o nível mais elevado de classificação das áreas protegidas. Localiza-se na região Norte de Portugal abrangendo 5 concelhos, totalizando uma área superior a 70 mil hectares. A criação do Parque Nacional, por decreto, em 1971, teve como objetivo a realização de um planeamento científico a longo prazo, valorizando o homem e os recursos naturais existentes, tendo em vista finalidades educativas, turísticas e científicas. Actualmente é considerado pela UNESCO como Reserva Mundial da Biosfera. É uma das maiores atracções naturais de Portugal, pela rara e impressionante beleza paisagística e pelo valor ecológico e etnográfico e pela variedade de fauna."

A entrada é gratuita mas é necessária a inscrição através do email: geral@casacienciabraga.org

Lugares limitados.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Primeira luz


First light by Moonspell

Somewhere inside a soul
A shadow is taking over
My questions are being answered
An act of courage
My story is being told
Somewhere inside these four walls
Another war has begun
The prodigal son came home tonight
To slay his father and drink his blood
Noite eterna, primeira vida
Ainda por revelar
Noite eterna, primeira sombra
Ainda por revelar
With the violence of a first light
With the violence of a first light
Somewhere in the rows of death
A leader is being false
His cities are catching fire
But he doesn't hear
His people screaming
Somewhere as the morning breaks
Steps are heard in the shattering glass
The bride to be returned to the feast
To make love end
Noite eterna, primeira vida
Ainda por revelar
Noite eterna, primeira sombra
Ainda por revelar
With the violence of a first light
With the violence of a first light
Hordes of the shadow sun
Afire with the intuition
We are a race of sorrows beholding
The tear and the wear of the earth
We are a race of sorrows beholding
The tear and the wear of the earth
First light, cursed be
First light, cursed be

Compositores: Fernando Ribeiro / Miguel Gaspar / Miguel Teixeira Gaspar / Pedro Telhada / Ricardo Amorim

Letras de First Light © Sony/ATV Music Publishing LLC

Fotografia © Rui C. Barbosa (todos os direitos reservados)

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Como uma árvore


Irei morrer de pé
Como uma árvore
Com as raízes profundas, enterradas na terra
E os braços a abraçar o céu
De cor de chumbo
Como num dia de tempestade
Plumbea
Terei a minha pele rugosa
Como a casca de uma árvore
De ramos estendidos ao céu
Azul
Como a cor do mar
Enorme
Infinito ao meu olhar
Infinito como uma árvore
Que morre na eternidade
Como o teu sorriso, eternamente alegre
Alegre como a cor dos teus olhos
São luz de jade
Resplandescentes
Como todas as árvores
Que morrem de pé

Fotografia © Rui C. Barbosa (todos os direitos reservados)

Paisagens da Peneda-Gerês (CCXXXII) - Ermida de S. Miguel


A Ermida de S. Miguel é uma pequena ruína existente no Curral de S. Miguel, Serra do Gerês, e onde estava guardada uma pequena estátua de S. Miguel venerada pelas gentes de Vilarinho da Furna.

Fotografia © Rui C. Barbosa (todos os direitos reservados)

Cuidados a ter em conta na realização de actividades no Parque Nacional da Peneda-Gerês


Algumas das actividades na natureza, como é o caso do pedestrianismo ou montanhismo, envolvem diversos riscos. É por isso importante agir com consciência, sobretudo quando o território é desconhecido ou quando não se domina a actividade.

- Tenha sempre em consideração as previsões meteorológicas; evite actividades em dias em que se prevê a ocorrência de chuva, trovoadas e nevoeiros;

- Evite ir sozinho para a montanha, mas se o fizer informe alguém. Quando regressar, comunique-lhe que terminou a actividade;

- Utilize vestuário e calçado adequados e tenha presente que os imprevistos acontecem: previna-se com agasalhos, alimentos, água e um isqueiro. Leve também um telemóvel;

- Tenha em consideração que em alguns locais existem poços de antigas explorações mineiras, pelo que não deverá sair dos trilhos e caminhos existentes;

- Caso ocorra algum acidente contacte o serviço de emergência (112). Caso não seja possível o contacto telefónico, coloque a vítima em segurança e protegida do frio ou do sol e procure ajuda;~

- Caso se perca, e se tiver possibilidade de contacto telefónico, contacte o serviço de emergência (112). Mantenha a calma e seja o mais claro e preciso que puder nas indicações sobre o local onde se encontra;

- Em caso de mordedura de víbora – o que só acontece se forem directamente molestadas – deve manter-se calmo (a mordedura de víbora raramente é fatal) e evitar movimentações desnecessárias. Se a parte mordida for um membro, como é frequente, este deve ser imobilizado e deve ser limpa a parte mordida. Deverá deslocar-se ao hospital mais próximo e contactar o Centro de Informação Antivenenos (808250143).

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Do Linhar ao Tear - Cabril


Um evento Cabril EcoRural

Em 2018 prosseguimos o Ciclo do Linhar ao Tear, continuando a acreditar que esta actividade agrícola é um motor do desenvolvimento rural e pilar da Cultura Tradicional de Barroso.

No dia 21 de Abril vamos semear um linhar com linho galego oferecido pelo Padre Fontes.

Programa

10h > acolhimento, briefing
Oficina do Linho:
Preparação da terra
Sementeira 
Tarefas e utensílios do linho
Conversas à mesa, almoço convívio

15€/pessoa

PARTICIPA!!!

Recomendações e boas práticas para a realização de actividades no Parque Nacional da Peneda-Gerês


Eis algumas recomendações e boas práticas para a realização de actividades dentro da área do Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG):

- Siga pelos trilhos e caminhos existentes;

- Respeite os valores naturais e culturais do Parque: não danifique a flora nem colha amostras de plantas, líquenes, cogumelos, rochas e minerais; não recolha nem perturbe a fauna;

- Não destrua o património cultural;

- Evite barulhos e atitudes que perturbem o meio que o rodeia;

- Respeite a sinalização existente e indicações dos funcionários do PNPG;

- Respeite a propriedade privada e o modo de vida dos residentes;

- Transporte consigo o seu lixo, até poder colocá-lo num contentor;

- Acampe apenas nos locais autorizados;

- Informe-se previamente dos locais e épocas em que poderá utilizar fogareiros; evite fumar na floresta e respeite a época em que é proibido fumar;

- As actividades de montanhismo na Área de Ambiente Natural exigem licença, que deve ser solicitada nas Portas e outros Centros de Informação do Parque;

- Comunique ao PNPG ou à GNR/SEPNA (linha SOS Ambiente: 808200520 ou www.gnr.pt) alguma infracção que presencie.

Passadiços do Gerês - o engodo do Ncultura


Recentemente surgiu um artigo intitulado "6 coisas que não sabe sobre os passadiços mais espectaculares do Gerês" - que pode ser lido aqui - e que nos fala de uns supostos passadiços existentes no Gerês que pelos vistos "...é um segredo incrível..." de Portugal.

Sou sincero que respeito este tipo de artigos que começam logo por mostrar uma certa ignorância relativamente à geografia de Portugal: são fracos, fraquinhos...

Este tipo de artigos surge na linha da usurpação do nome e da marca "Gerês" para a promoção de serviços que não se localização na Serra do Gerês e por vezes nem na área do Parque Nacional da Peneda-Gerês, como é o caso dos "...passadiços mais espectaculares do Gerês".

Cada região tem a sua beleza própria e única e deve ser promovida por isso mesmo.

Este artigo fala dos passadiços existentes perto de Sistelo, que se encontra fora da área do PNPG ao contrário do que é dito neste artigo, e que constituem a parte final da Ecovia do Vez. E já agora, não chamem a Sistelo o "pequeno Tibete português"!


terça-feira, 17 de abril de 2018

Um outro olhar (LXXXVIII)


O Paulo Figueiredo (No Gerês) visitou as Minas dos Carris a 11 de Abril de 2018 e teve a amabilidade de me ceder estas fotografias.

Se visitar as Minas dos Carris, envie as suas fotografias para assim se constituir uma base cronológica das ruínas nos píncaros serranos do Gerês.

Um agradecimento ao Paulo pelo envio das fotos!





Fotografias © Paulo Figueiredo (todos os direitos reservados)

Trilhos seculares - Ao Curral da Carvalha das Éguas e Lomba do Vidoeiro


Um pequeno passeio até ao Curral da Carvalha das Éguas começando na Pedra Bela e passando pelo Curral da Espinheira. Andamos um pouco mais para lá do Curral da Lomba do Vidoeiro, mas o tempo ameaçava chuva e fomos medricas...

Só algumas fotos...










Fotografias © Rui C. Barbosa (todos os direitos reservados)

segunda-feira, 16 de abril de 2018

As casas florestais e o turismo - um receio antigo


Há já muito tempo que receava que este dia iria chegar. Se por um lado vejo aspectos positivos na recuperação das antigas casas florestais, por outro esta recuperação irá somente beneficiar os grandes grupos de turismo cujo único interesse é o lucro.

Assim, e mais uma vez, vai-se perder a hipótese de se recuperar algumas destas casas para uma função de abrigo de montanha para uma fatia do turismo de natureza que não está interessada em custos elevados no que diz respeito ao alojamento.

Tomemos o exemplo do Parque Nacional da Peneda-Gerês; dentro da sua área ou nas suas proximidades existem cerca de 50 edifícios deste tipo, e contam-se pelos dedos de uma mão os que estão recuperados ou a ser utilizados. De facto, somente um deste edifícios está a ser utilizado como casa permanente de um guarda florestal (vigilante da Natureza). (Quase) todos os outros estão abandonados e em ruína!

Em termos patrimoniais, o abandono das Casas Florestais constitui um crime perpetrado aos olhos de todos pelo Estado! Assim, é urgente que se tomem medidas para evitar esta degradação e recuperar este património, transformando-o numa mais valia para as populações locais.

Assim, e na ausência de uma atitude por parte da tutela que resolva esta situação, é um imperativo que haja uma tomada deste património por parte das populações que se devem unir e reclamar a posse destes edifícios. Devem-se constituir comissões populares que discutam entre todos o melhor destino a dar cada edifício, evitando assim a sua perda e com ele podendo retirar o proveito através do qual possam melhorar a sua vida!

A tomada popular das Casas Florestais é um imperativo, um passo na recuperação das nossas florestas e espaços rurais!

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (16 a 24 de Abril)


Tal como tem vindo a ser noticiado pelos diversos sítios de meteorologia, parece estar a ocorrer uma mudança nos padrões atmosféricos que indicam a verdadeira mudança de estação, com a chegada de temperaturas mais amenas e condizentes com a actual estação.

Assim, e salvo algum acontecimento que venha a merecer referência, termino aqui a publicação das previsões meteorológicas para a zona da Nevosa / Carris que fui fazendo ao longo do Inverno de 2017 / 2018.

Até ao próximo Inverno!

domingo, 15 de abril de 2018

Paisagens da Peneda-Gerês (CCXXXI) - "Floresta em Sonho"


Mata de Albergaria, Serra do Gerês - uma "Floresta em Sonho".

Floresta em Sonho

Esta noite atravessava uma floresta a sonhar
Ela estava cheia de horror. Seguindo a cartilha
Os olhos vazios, que nenhum olhar compreende
Os bichos erguiam-se entre árvore e árvore
Esculpidos em pedra pelo gelo. Da linha
De abetos, ao meu encontro, através da neve
Vinha estalando, é isto um sonho ou são os meus olhos que a
vêem,
Uma criança de armadura, coiraça e viseira
A lança no braço. Cuja ponta faísca
No negro dos abetos, que bebe o sol
O último vestígio do dia uma seta de ouro
Atrás da floresta do sonho, que me faz sinal de morrer
E num piscar de olho, entre choque e dor,
O meu rosto olhou-me: a criança era eu.

Mão Morta

Fotografia © Rui C. Barbosa (todos os direitos reservados)

sábado, 14 de abril de 2018

Paisagens da Peneda-Gerês (CCXXX) - Os fabulosos Bicos Altos


Os fabulosos Bicos Altos são uma pequena série sucessiva de píncaros graníticos que embelezam um pequeno vale na extremidade Sul do qual se encontra o pequeno Curral dos Bicos Altos. Uma paisagem magnífica na Serra do Gerês.

Fotografia © Rui C. Barbosa (todos os direitos reservados)

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Café com Ciência: “Parque Nacional da Peneda-Gerês: natureza e paisagem"


No dia 27 de abril (sexta-feira) às 21.30h irá ocorrer o Café com Ciência "Parque Nacional da Peneda-Gerês: natureza e paisagem" com Doutor Paulo Pereira no Planetário - Casa da Ciência de Braga. 

"Doutorado em geologia (2007) pela Universidade do Minho, tem como principais interesses a geomorfologia, a cartografia e a geoconservação, leccionando, publicando e orientando nessas áreas. Foi bolseiro de doutoramento e de pós-doutoramento e actualmente é Professor Auxiliar do Departamento de Ciências da Terra da Universidade do Minho. Entre 2010 e 2014 fundou os projectos empresariais Geosite, Geojustiça e Firemap, relacionados com as áreas da geologia, cartografia e informação geográfica.

O Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG) é a única área protegida nacional que possui a categoria de Parque Nacional, o nível mais elevado de classificação das áreas protegidas. Localiza-se na região Norte de Portugal abrangendo 5 concelhos, totalizando uma área superior a 70 mil hectares. A criação do Parque Nacional, por decreto, em 1971, teve como objetivo a realização de um planeamento científico a longo prazo, valorizando o homem e os recursos naturais existentes, tendo em vista finalidades educativas, turísticas e científicas. Actualmente é considerado pela UNESCO como Reserva Mundial da Biosfera. É uma das maiores atracções naturais de Portugal, pela rara e impressionante beleza paisagística e pelo valor ecológico e etnográfico e pela variedade de fauna."

A entrada é gratuita mas é necessária a inscrição através do email: geral@casacienciabraga.org

Lugares limitados.

A estrada da Geira Romana


Neste dia, ao passar na estrada da Geira Romana, reparei num mergulhador num destes «buracos»...

Certamente que ninguém da direcção da Câmara Municipal de Terras de Bouro deve passar por aqui... Pois, é pena!

Querem que comece já a falar da estrada entre a Portela de Leonte e a Portela do Homem, ou espero mais um bocadinho?...

Fotografias © Rui C. Barbosa (todos os direitos reservados)

Paisagens da Peneda-Gerês (CCXXIX) - Minas dos Carris


A beleza invernal das Minas dos Carris, Serra do Gerês.

Fotografia © Rui C. Barbosa (todos os direitos reservados)

Em Pitões das Júnias


Depois da Sexta-feira, dia 13, em Montalegre, é o Sábado, dia 14, em Pitões das Júnias.

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (13 a 21 de Abril)


Últimos dias de neve nas Minas dos Carris.

quinta-feira, 12 de abril de 2018

"“Bono”, o cão que “desaparece” para guiar pessoas em pleno Parque Nacional da Peneda Gerês"



“Bono” voltou a “fazer das suas” e desapareceu durante três dias, levando a apelos na redes sociais. À semelhança da última vez, onde nos inícios de fevereiro de 2016 decidiu orientar o ultramaratonista Carlos Sá ao longo de 55 quilómetros na Serra Amarela, Bono voltou aparecer, no sítio do costume para apanhar “boleia” até casa.

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (12 a 20 de Abril)


A previsão meteorológica para as Minas dos Carris nos próximos dias.

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Outros acessos às Minas dos Carris


Nunca é demais voltar a publicar este texto que já surgiu aqui no blogue há algum tempo (se bem que com outro título).

Nos últimos anos, as Minas dos Carris na Serra do Gerês têm-se tornado um destino, um objectivo preferido de muitos montanheiros e afins. Situadas nos píncaros geresianos, estas minas são vistas não só como um objectivo em si, mas também como um local rodeado com uma certa aura de mística e mistério, certamente devido ao seu entorno e às ruínas que tornam aquele local tão especial.,

Podemos chegar às Minas dos Carris percorrendo vários caminhos, uns mais fáceis do que outros mas sempre constituindo longas caminhadas. Antes de falar destes caminhos, convém desmitificar a situação destas minas perante o actual ordenamento do Parque Nacional da Peneda-Gerês. Muitos são aqueles que em busca de informações são mal informados tanto pelos serviços do parque nacional como dos postos de turismo da zona. Infelizmente, o facto de alguém trabalhar nestes locais não lhe garante o total conhecimento sobre os condicionalismos que são impostos à visita e acabam por mal informar os visitantes.

Assim, desde já convém referir que NÃO É PROIBIDO VISITAR AS MINAS DOS CARRIS! Este complexo mineiro não se encontram dentro da zona de protecção total do Parque Nacional da Peneda-Gerês, o que implica que não é necessária qualquer autorização para a sua visitação (para grupos inferiores a 10 pessoas). Porém, o mesmo já não acontece com alguns dos caminhos que terão de ser percorridos.

Durante a visita às ruínas convém ter extremo cuidado aos nos aproximarmos dos poços mineiros bem como de algumas ruínas, nomeadamente na lavaria. Não convém também esquecer que este é um património único e que apesar de desprezado pelo Parque Nacional da Peneda-Geres, deve ser devidamente conservado e respeitado! Qualquer acto de vandalismo ou destruição do património deve ser comunicado ao PNPG ou à GNR.

Falemos então de como chegar às Minas dos Carris. Como é óbvio existem vários caminhos para chegar ali. Destes vou indicar três opções, sendo que duas delas percorrem em parte a zona de protecção total. O que é que isto implica? Implica que caso queiram percorrer estes caminhos terão de pedir uma autorização ao Parque Nacional da Peneda-Gerês. É claro que pedindo esta autorização e caso depois esta seja recusada, certamente estarão sujeitos à fiscalização tanto do PNPG como do SEPNA. Caso não peçam a autorização e não informem o PNPG, estão a jogar uma roleta russa...

O caminho mais curto para chegar às Minas dos Carris percorre o fabuloso Vale do Alto Homem, famoso no Verão pelo Rio Homem e pelas suas lagoas naturais. O caminho tem uma extensão de cerca de 9,5 km e vai subindo a montanha. O seu estado é muito mau devido à incompreensível falta de conservação por parte do PNPG que o levou a uma degradação extrema. No entanto, não deixa de ser o caminho mais curto, apesar de penoso. Este caminho percorre a zona de protecção total quase desde o seu início até à entrada na Corga da Carvoeirinha, já quase no final do percurso.

A segunda opção será tentar chegar às Minas dos Carris passando pelas galegas Minas das Sombras. Podem iniciar a caminhada na Ermida da Nª. Sra. do Xurés (Vilaméa) e seguir a Ruta das Sombras. Ao chegar às Minas das Sombras deve-se tomar um trilho de pé posto que se inicia junto do velho barracão dos mineiros e daí atingir a fronteira na Amoreira. Seguindo o trilho em direcção ao marco geodésico dos Carris, terão de percorrer cerca de mais 2 km para chegar às Minas dos Carris. Entre a Amoreira e o marco geodésico dos Carris, estarão a percorrer a zona de protecção total. Muito azar se algum guarda aparecer por aqui, mas nunca se sabe!...

A terceira opção será utilizando o trilho que se inicia em Chã de Suzana (Xertelo) e seguir em direcção ao Castanheiro onde se pode observar os restos de mineração das Minas do Castanheiro. Percorrendo sempre em trilho de pé posto, o caminho seguirá o bordo do Vale da Ribeira das Negras em direcção aos Currais das Negras e daqui subir ao paiol ou então seguir em direcção à Garganta das Negras até atingir a linha de fronteira e depois virar à esquerda, atingindo a represa dos Carris. Uma outra opção será atravessar a Ribeira das Negras e após passar no sopé da Matança, atingir a Lamalonga e daqui subir em direcção à lavaria. Este percurso nunca entra na zona de protecção total e como tal não é necessária qualquer autorização para grupos inferiores a 10 pessoas (pois percorre em parte a zona de protecção parcial Tipo I).

É óbvio que existem outras opções (por Pitões das Júnias, pelo Vale da Abelheira, pelo Lago Marinho,  por Sáa (Galiza) ou mesmo pela cumeada de fronteira na Encosta do Sol - Vale do Homem), mas estes serão os percursos mais interessantes.

Fotografia © Rui C. Barbosa (todos os direitos reservados)

Do Linhar ao Tear | Serões à Lareira - Tourém


Em 2017, no dia 6 de Maio, com a ajuda e sabedoria da Senhora Maria das Dores de Mourilhe e da Senhora Ana do Ourives de S. Ane, semeámos linhaça no Abrigo da Garrana. 

Dessa semente lançada na terra arrincámos o linho que ripámos, macerámos e secámos. 

A 30 de setembro iniciámos os tormentos do linho na Eira do Adro do Lugar da Vila de Cabril. Maçámos, espadelámos, assedámos e fizemos as nossas primeiras estrigas prontas para carregar as rocas. 

Assim chegámos aqui, aos serões à lareira. Mais um passo na recolha e aprendizagem deste Ciclo do Linho, Património imaterial da Cultura Tradicional de Barroso.


O primeiro serão foi realizado na Residencial Geriátrica de S. Vicente da Chã. A experiência funcionou melhor do que eu esperava. Os mestres aposentados usaram das suas memórias e lembraram os tempos áureos desta prática agrícola do concelho de Montalegre.

Era preciso continuar os serões nas aldeias. Assim fiz em Salto, em Fafião, em Montalegre, em Pitões das Júnias. O programa base que propus incluía a tertúlia, a fiação (se as mulheres se animassem) e uma merenda no fim. 

Os participantes foram acrescentando as quadras, os ditos, as cantigas e, em Pitões das Júnias fez-se roda e bailarico, com abraços e risadas.

No dia 14 de abril, em Tourém, no Pátio da Maria do Padre fecharemos o primeiro ciclo do Linhar ao Tear e contamos consigo neste encontro que desejamos que seja de recolha e partilha da Cultura Tradicional de Barroso.

Se tem fuso e roca traga, se tem guitarra e concertina, realejo ou pandeireta pois que venham também. Mas acima de tudo 

Traga as suas memórias e venha partilhá-las connosco.

P.S. Na arca guardámos a baganha e a semente que nos permitirá continuar já a 21 de abril um novo Ciclo do Linho. 

E assim, o linho volta a Barroso.

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (11 a 18 de Abril)


Até dia 14 de Abril a neve deve marcar a paisagem das Minas dos Carris, com a chuva a surgir nos dias seguintes e havendo uma subida de temperatura.

domingo, 8 de abril de 2018